Image for post
Image for post
Dina Alvarez | Head de Cultura e Talento | everis Reino Unido

Você gostaria de dançar com a gente?

Uma força de trabalho diversificada é fundamental para criar valor, crescer e ser competitiva. Melhorar a inclusão de diferentes culturas, gerações, orientações sexuais, entre outros fatores, resulta em um maior sucesso da empresa. A Boston Consulting publicou um estudo comprovando que empresas com maior diversidade têm 19% a mais de receita.

A diversidade é o combustível da inovação e nos permite criar um mundo melhor. A igualdade é a chave para criar uma força de trabalho diversificada com ideias e pontos de vista diferentes.

Somos todos diferentes. Recentes pesquisas psicométricas estão alinhadas com este conceito, mas é importante considerar que as avaliações psicológicas nunca serão eficazes com uma abordagem padronizada. Em vez disso, elas devem ser adequadas culturalmente e adaptadas de acordo com as dimensões da diversidade em uma instituição específica e as diferenças individuais. Nos encontramos em uma era em que a compreensão de que somos todos diferentes e únicos pode ter um enorme impacto no sucesso profissional e empresarial, assim como na felicidade e na qualidade de vida.

Cada pessoa tem as suas próprias características e diferenças individuais. Assim, é importante considerar que diferentes estilos cognitivos podem levar a diferentes interpretações de situações e afetar a forma como nos comportamos.

Para integrar esta mentalidade em qualquer organização, devemos considera a “Roda da Diversidade” de Loden. Marilyn Loden sugere como podemos quebrar as características pessoais para descobrir o que define cada indivíduo e, assim, quais elementos podem formar barreiras nos relacionamentos. Ela explora as dimensões primária e secundária que caracterizam as nossas identidades sociais.

As dimensões primárias da diversidade moldam os valores, a autoimagem/identidade, as oportunidades e as percepções dos outros.

As dimensões secundárias consideram elementos que afetam os outros. Cada uma delas define a identidade social de um indivíduo.

Assim sendo, estas dimensões primárias e secundárias podem levar a um choque de culturas e podem causar conflitos quando ignoradas, desvalorizadas ou mal compreendidas pelos outros.

Para resolver este problema, implementamos o nosso projeto everis “Is Diversity”, que tem como foco a singularidade. O objetivo deste projeto é aumentar a visibilidade e construir uma organização mais amiga da diversidade.

Temos de estar conscientes dos estereótipos e preconceitos inconscientes e começar a partir de dentro para gerenciá-los de forma mais eficaz. Assim, incorporamos estas duas dimensões em três abordagens diferentes:

Abordagem de sensibilização: Conscientizar sobre a diversidade de mentalidades uma vez que somos todos únicos, diferentes e temos diferentes motivações, expectativas e necessidades. Destacamos a importância de ser inclusivo, promovendo a valorização do indivíduo como uma pessoa única. A diversidade é um patrimônio da everis. Tanto a diversidade como a inclusão têm um impacto positivo nos resultados da empresa. Procuramos melhorar a vida das pessoas, dando aos nossos colaboradores as ferramentas para conhecer e liderar a si próprios, para melhor compreenderem uns aos outros e abraçarem as nossas diferenças como uma comunidade. Se criarmos um ambiente em que os nossos colaboradores aceitem a diversidade, isto irá repercutir nas pessoas ao seu redor e criar uma onda que terá um impacto significativo na nossa sociedade.

Abordagem cognitiva-comportamental: Compreender detalhadamente o impacto dos estereótipos e neutralizá-los conhecendo a nós mesmos e como os preconceitos cognitivos são imperfeitos. Os estereótipos são o resultado dos preconceitos que o nosso cérebro utiliza como atalhos mentais para processar melhor a informação. Queremos desenvolver um “olhar único” para nós próprios e para os outros. Isso nos permite nos desafiar, escolher o que queremos ser e ousar mudar, e nos reinventar. Isto permite uma mentalidade positiva.

Desenvolvemos um programa de quatro sessões com foco na singularidade. Ele visa entender o tema a partir de diferentes perspectivas. Nestas sessões, abordamos o público a partir de um ângulo holístico, tentando compreender as necessidades individuais, sonhos etc., proporcionando uma visão 360º.

Mais uma vez, este ano, promovemos a formação intercultural para ajudar os colaboradores a reconhecer a importância das diferenças culturais. Através desta formação, os participantes exploram o reconhecimento, a compreensão e a valorização de diferentes culturas e diferentes estilos de comunicação, valores e comportamentos.

Para apoiar a diversidade, é importante criar uma cultura de flexibilidade que possa ser adaptada a cada colaborador. Para nós, isto inclui trajetórias de carreira e horários de trabalho flexíveis. Dar autonomia aos colaboradores para tomarem as melhores decisões por si próprios é fundamental para o seu e o nosso sucesso. Construímos um ambiente de liberdade flexível e uma abordagem personalizada nas áreas de gestão de talentos (desenvolvimento de carreira, formação etc.).

Com certeza, a diversidade anda de mãos dadas com a liderança inclusiva, que possui a capacidade de gerenciar diferentes abordagens, pontos de vista, necessidades e seu próprio preconceito inconsciente.

O impacto disto é evidente em toda a nossa comunidade. Temos 24 nacionalidades e quatro gerações, todos trabalhando em equipe. O que temos em comum? Os nossos valores everis. Os nossos valores inclusivos facilitam o desenvolvimento e a realização do nosso propósito comum: o desenvolvimento integral dos nossos colaboradores. Queremos realizar os nossos sonhos juntos; a colaboração e o respeito pela diversidade fazem parte do DNA everis. Isto é importante quando trabalhamos com grupos de pessoas culturalmente diferentes e com grupos cujas práticas culturais diferem umas das outras. Podemos observar o impacto que isso tem nas ações de nossos colaboradores. Por exemplo, mais de um terço dos nossos colaboradores participam e colaboram de atividades como o nosso piquenique intercultural, o brunch London Pride e temos dois círculos de convivência: lugares onde pessoas com as mesmas afinidades podem conversar e compartilhar ideias. Esses grupos são liderados por nossos próprios funcionários.

Como comenta Verna Myers, “A diversidade está sendo convidada para a festa. Inclusão é ser convidado a dançar.”

Você gostaria de dançar com a gente?

Written by

Exponential intelligence for exponential companies

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store